Irmãos de Fronte

Irmãos de Fronte
PROGRAMAÇÃO - WRCM - Programa Apocalipse

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Entrevista Feita com a Horda URFAUST


1-Aamon - Tell us about the meaning of the band's name and how you chose it. /

URFAUST: The name URFAUST comes from the first edition of the works „Faust“ by Goethe. Goethe provides us a lot of inspiration, the same goes for Nietzsche…

2 -Aamon - Tell us about the album Empty Spaces. What were the influences when composing the songs?

URFAUST: The songs on Empty Space Meditation should be seen as one story, decided into 6 chapters. Hence the fact that the meditations are divided into 6 pieces. The influences are our every day life, our state of mind and the state of emptiness we want to receive. The emptier the brain, the more you can fill it up: destruction & creation, - Dark versus Light!

3 Aamon - The band is working on a new album to be released by VAN RECORDS. How did this partnership begin? Could you tell us something about this new material?

URFAUST: well, we just RELEASED a new album, and we are recording some new songs, but they will be for a split with our brothers of WEDERGANGER! The songs are weird, not sounding like anything from Empty Space Meditation at all! Another chapter in our music style so to speak! We are still recording, we are still writing and only the Devil knows where the tunnel at the end of the light is leading to! The partnership with Ván Records happened many years ago… We have become close friends and brothers. We have no intention of leaving this label, because loyalty, trust and friendship mean more to us than money.

4 Aamon - We would like to hear about the criative process for the Apparitions album. What were the individual contributions by the band's members for composing the album?

URFAUST: IX did vocals, guitar and synth, VRDRBR did drums, bass, synths and drones… Not much to tell about it really! We recorded it at the Kindertranen Studio with our good friend Deportator in one night… It was a good Ritual!!!

5 Aamon - How does the band work on its identity process, in order to unify the individual visions and contributions?

URFAUST: we are our identity and the identity is what we always will be… we do not need to hide behind corpse paint, we do not need to hide behind hoods or masks: Urfaust is our blood and always will be and there is no point in hiding what you are… you can never do it! This goes for the both of us… our works and everything what we do, breaths URFAUST, that is why our music sounds different, but always has the same atmosphere… this is a team! a state of mind…. a passion and something we need to do… when we do not feel like this anymore, we will drop it and move on!

6-Aamon Do you know any Brazilian Black Metal band?

URFAUST: Only GOATPENIS comes to mind…

6-Aamon Thank you for taking your time for this interview. Please address a few words to the Brazilian fans.

URFAUST: We want tot hank the Brazilian legion of Clochards, Devotees and Intoxicators for their eternal support! We hope to come over to your country and perform some Possession Rituals!!! HAIL BRAZIL!

Face Offcial URFAUST 

domingo, 6 de novembro de 2016


 entrevista com a horda Dødsferd

GREETINGS warriors I'm Clayton Amon Owner Web Zine I am honored by interview with you brothers hail
Hails from Wrath!

01 Aamon - Greece is a culturally rich country, with great bands which for decades have represented Black Metal and other evil genres. Formed in 2001, the horde Dødsferd is recognized by its agressive and impartial style. Please tell us a bit about the creation of the horde. What is the dark meaning of the name Dødsferd and how this meaning has developed until our present days?

I created Dødsferd in 2001, in order to ease the demons in my head. Too many things had happened back then and human parasites proved to be that they were, and still are, a spreading disease for this world. They are like cancer that infects all the weak masses that try to follow a certain group of people. Dødsferd is my whole world, away from all the useless sheep that have polluted this drained world, your world! I try to stay away and create violent music, only for the few, for the ones that would be able to fit in my world. Dødsferd is a Norwegian word and means “Journey of Death”. I started it as a one man band, with the appearance of session musicians and since 2009 Dødsferd has become a full member band. Another change is that in the beginning of 2016 we changed drummer. Chaos is the new drummer/member of Dødsferd, a devoted supporter of my propaganda.

02 Aamon - In the past, the horde went through some changes in formation. Musicians from other great Greek hordes, like Thou Art Lord, Kampf, Ravencult, and Abyssgale, helped in the works. Tell us about the history of the formation of this dark group, from the beginning of the band.

As I wrote in the previous question, I started my band as a one man band, with the assistance of session musicians. In 2009, Nadir from Nadiwrath, my other band and Neptunus from Abyssgale, entered the band and since then, Dødsferd is a full member band. They are supporting my vision and my propaganda with no second thoughts. They are my brothers! Chaos also, joined us in 2016 as a new drummer of the band and now we are ready to record our new album. It will be more hateful than even before.

03  Aamon- The horde has performed many gigs with a sepulchral presence and atmosphere. The lyrics express a nihilist vision, with a very straight philosophy. Tell us about your inspirations. What literary sources and personal experiences have influenced past works, including the most recent albums?
 Also, please tell us specifically about the album "Wastes of Life" and its meaning to you.

My lyrics speak about the elimination of the masses that have gathered into certain groups, in order to survive, gain power and spread their ideas. It’s pure hate against all. “Wastes of life” are the incapable ones, the sheep that are trying to spread their shitty ideas and live in the expense of others, the most capable ones, the dignified ones!!!

04 Aamon- The horde has clear and well-combined influences, like Bathory and Judas Iscariot. This results in great, well-executed albums by Dodsferd. How is the distribution and reception by the public for your albums? 

Is there any chance of performing live in Brazilian lands?
It has different kind of feelings. It’s either you like it, or hate it!!! We would be honored to perform our music live in Brazilian lands, but there has not been any serious proposal so far.  

05 Aamon- Please use the following space as would please you to address the Brazilian readers.   

Total support to all the true followers of our propaganda!!!
With Respect
Wrath of Dødsferd!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Entrevista com Pfähler da Vulto Abissal

Saudações Warbrothers!

Venho lhes trazer mais uma entrevista. Desta vez, realizada com o Pfähler da Vulto Abissal. Agradeço pelo tempo tomado para conceder esse trabalho.

Infernalis Blasphemy - Como surgiu a Vulto Abissal?

PfählerPrimeiramente, obrigado por querer entrevistar a banda. Bom, a Vulto Abissal teve início em Dezembro de 2014, após um final conturbado da minha antiga banda, a Black Sodomy.

Infernalis Blasphemy - Inicialmente, a Vulto Abissal era composta apenas por você. E depois veio a Lúthien Linwëlin Vindfärd assumir os vocais. Como tem sido essa nova "formação"?

Pfähler Então, desde o início eu tinha muita vontade em chamar uma mulher para os vocais, mas como eu nunca encontrava, acabei eu mesmo fazendo, a Lúthien apareceu no começo do ano, assim que descobri eu a chamei pra banda, até o momento tudo está muito bem, espero que sua presença na banda dure anos.

Infernalis Blasphemy - Pretendem algum dia se apresentar ao vivo?

Pfähler - Quem sabe, talvez daqui uns 10 ou 20 anos, ou menos.

Infernalis Blasphemy - Quando sairá um Full-Length?

Pfähler - O primeiro Full-length sairá em Setembro, e se chamará “Sexual Demonic Massacre”

Infernalis Blasphemy - Quais são as influências da Horda?

Pfähler - As influências, basicamente, são das bandas da Primeira Onda do Black Metal, até outras bandas que não fizeram, como Motörhead, Warlock e Exorcist.

Quais são as ideologias da Vulto Abissal?

Pfähler - Bom, nós temos os nossos pensamentos, posicionamentos e opiniões, alguns divergentes, mas assim, a banda não tem ideologia definida, as letras são o mais neutro possível, falando do Oculto, a luxúria e até BDSM.

Infernalis Blasphemy - Você teve outros projetos anteriores. Qual foi o primeiro?

Pfähler - O primeiro projeto se chamava Dark Purgatory, que depois passou a se chamar Funeral Endless, depois pra Dark God e por fim, passou a se chamar Black Sodomy, tive outro também chamado Oculto Perdido e outro de Dark Ambient chamado Morbid Worship. (Tive vários outros, mas não cheguei a lançar nada com eles, apenas uma ou duas músicas.)

Infernalis Blasphemy - Poderia nos falar mais sobre eles?

Pfähler - Na Black Sodomy, quando se chamava Dark Purgatory, a sonoridade era mais Black/Death Metal, depois, virou um Raw Black Metal bem tosco, mal feito, sem ritmo, uma verdadeira merda, as críticas que o infeliz tinha dado fez com que eu abrisse os olhos e visse que eu realmente estava fazendo um lixo, na Oculto Perdido, as músicas eram cantadas em português, mas cheguei a lançar apenas um pequeno material.

Infernalis Blasphemy - Pretende algum dia voltar a executar algum projeto paralelo?

Pfähler - Até penso, mas aí a vontade passa e eu volto a focar apenas na Vulto Abissal.

Infernalis Blasphemy - Agradeço pela oportunidade de realizar esta entrevista. Gostaria de deixar algum recado para os leitores do nosso blog?

Pfähler - Eu que agradeço mais uma vez. Digo apenas que.....ouçam a Vulto Abissal, conheçam e mostrem para os amantes do Black Metal oitentista, e que em breve teremos mais novidades, é isso...

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Entrevista com a Horda Sadomystic

Saudações Infernais, Guerreiros!

Venho após um longo tempo inativo com mais uma entrevista. Desta vez trago a horda Sadomystic da cidade de Ourinhos, interior de São Paulo. Confiram!

1- Primeiramente, gostaria de agradecer pela oprtunidade e dizer que é uma honra de realizar essa entrevista

Como surgiu o projeto e de onde veio o nome 'Sadomystic'?

Funestus: Criei o nome Sadomystic por volta de 2005, seu significado é algo como "sofrimento espiritual", na epoca estava focado no meu projeto Lux Inferium todo 
dedicado ao Black metal, mas sentia a necessidade de expor um lado mais extremo e industrial no qual sou muito fã
criar algo sozinho expondo todas as minhas influencias gravando todos os intrumentos e vocais. Gravei alguns sons, mas nada foi adiante, fiquei no hiato com a musica
até 2013 quando surgiu a oportunidade junto ao Tanatos e Black Jhesus para reformular a proposta e gravar um material oficial expirando e explorando todas 
as nossas influências.

2- Qual a ideologia da Sadomystic?

TanatosO ideologia por tráz da sonoridade da Sadomystic é trazer de volta a verdadeira essência da aura black metal
Os temas abordados são explícitos e ao mesmo tempo ímplicitos, criando assim uma abordagem temática que faz os apreciadores pensarem
sobre todas as razões de vida e alienação religiosa, ou seja, uma ideologia calcada em ódio e imersão em si próprio.

Funestus: Escuridão, apocalypse, e cemitérios!

3- Quais são as influencias de vocês?

Funestus: Falar sobre influências é complicado, é uma resposta vasta, pessoal e sem fim. Mas o que influencia a composição e onde quero 
chegar com minhas atmosferas no Sadomystic, são os riffs do velho Darkthrone, Burzum, Obtained Enslavement, Bathory, Celtic frost, Gorgoroth, Satyricon, Belphegor 
e anos 90 em geral. Havia "algo" a mais naqueles tempos!

Tanatos: Como o Funestus disse, nosso som vem calcado nos primórdios odiosos dos anos 90, minhas principais influencias acho que são o Dark Funeral e o Gorgoroth,
além de Enthroned, Armaggeda, Pest dentre outros.

4- Qual a opinião de vocês sobre o White Metal?

Tanatos: A opinião da Sadomystic sobre o que chamam de "white metal", é de que nem se quer consideramos isso como metal, ou qualquer coisa próxima a isso
A infestação podre das religiões em sua totalidade tentam de qualquer forma se infiltrar no meio extremo, porém isso jamais ocorrerá de forma branda
Uma vez que apreciadores da real essência do metal negro cospem em ovelhas que procuram o fruto divino.Repudiamos o que é brando e celestial, toda e qualquer forma
de se expressar o lixo sagrado é abominado pela banda.

Funestus: Cara, de verdade? O que eu não gosto, não existe! Não vejo, e nem ouço falar! Eles sabem que são uma farça e vivem uma mentira. Me incomoda muito mais
uns posers travestidos de true, bad-bangers do facebook, bandas e musicoS ruins que se julgam cult e etc... ISSO ME DEIXA PUTO!

5- Pretendem futuramente montar uma formação para apresentações ao vivo?

Funestus: Concerteza seria legal ver debaixo do palco essas musicas sendo executadas com um bom equipamento e por musicos bem ensaiados hehehe...

6- O que vocês podem nos dizer sobre a cena Black Metal nacional?

Tanatos: O Brasil é um grande portador de bandas fudidas dentro do meio extremo, o underground vive novos tempos, tempos esses em que materiais de real qualidade
são apresentados ao público que o aprecia,shows com estrutura digna de grandes festivais, materiais físicos extremamente bem gravados e executados.
Há várias bandas fazendo sua parte e trazendo a escuridão e a filosofia infernal de forma magistral.

Funestus: A melhores estão aqui! Hail Sarcofago, Hail Vulcano...

7- Tem algo para falar sobre o Black Jhesus e a sua saída durante as gravações do EP?

Funestus: B.J. foi um um grande pilar para a gravação dos nosso primeiro material, seu incentivo e força estará eternizado no Sadomystic. O motivo de sua saida
foi algo natural devido as dificuldades e distancias do dia a dia ja que somos de cidades diferentes.

8- Agradeço mais uma vez pela oportunidade. Gostariam de deixar algum recado para quem estiver lendo esse blog? As palavras são suas

Tanatos: Nós que agradecemos o espaço cedido pela Black metal Force, o que gostaria de deixar para os leitores é que continuem na guerra,nunca desistam 
de lutar para derrubar a farça religiosa,a imposição dos dogmas, e busquem sempre a escuridão por meio de filosofias calcadas no obscuro.
Sejam senhores de si próprios.
Em breve será lançado o Full-Length da Sadomystic, o publico conhecerá a capa e o título do álbum em breve.

Funestus: Obrigado a todos que adquriram nosso material, ja estamos na segunda edição com 50 unidades limitadas e posso garantir que o 
nosso full será o melhor lançamento dos ultimos anos. Ja temos uma capa, um nome e 8 musicas.. PURO E VERDADEIRO BLACK METAL OLD SCHOOL!!!

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Resenha da horda Lendas Oculta é Divulgação de Seu Material Orgen Eugnas

#Aamon  Salve Irmãos Infernais Direto de Brasília, Distrito Federal a horda  Lendas Ocultas

Forjada nas sombras, do Antigo mundo subteraneo. . . A Horda LENDAS OCULTAS obtem sua primeira  Possessão  em Meados de 1999, Ano Luciferino.
Com o Retomar da Negra aura pois, o Adormecer do Ano Sadico de 2005. A Horda retoma em seus tormentos mais agrecivos, o transceder da antiga era abismal.



quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Entrevista feita pelos Hellbrothers Infernalis Blasphemy e Mallefcus a Horda Arandu Arakuaa.

‪#‎Infernalis -Olá Zândhio, antes de realizar a entrevista, gostaria de agradecer pela oportunidade de conceder essa entrevista para nós.
      Qual a origem do nome Arandu Arakuaa?

Arandu Arakua é uma expressão de origem tupi guarani e em tradução livre significa saber dos ciclos dos céus ou sabedoria do cosmos. Escolhi enquanto lia o livro de Kaká Werá Jecupé: “A Terra dos Mil Povos - História Indígena do Brasil Contada por um Índio” gostei do nome por se tratar do conhecimento iniciático das sociedades primitivas de nossa terra e por ser bastante forte e de fácil pronúncia.

‪#‎Mallefcus -02-  Suas letras são escritas do Tupi Antigo, Xerente e Xavante.
Como aprendeu esses idiomas? Tem ou já teve contato com povos Indígenas?

- Tupi é algo mais acessível, ao menos tem uma gramática publicada.  Xerente e Xavante é totalmente oral através do contato direto com nativos dessa língua.
Desde o dia que nasci tive contato com a cultura indígena que também está no meu sangue. Todas as minhas escolhas em diferentes campos de atuação sempre teve a cultura indígena envolvida.  Essa é a missão que os espíritos me deram nessa vida.

            #‎Infernalis -3-  Como foi no início do projeto e como foi para encontrar os demais integrantes?

- O projeto era um desejo antigo, mas considero que começou no início de 2008 quando eu já tinha o nome e as algumas músicas compostas. No Período de 2008 a 2010 testei vários músicos e seguir compondo, porém a coisa só funcionou mesmo a partir do final de 2010 e começo de 2011 quando conheci Nájila e Adriano pela internet, Adriano chamou Saulo e de lá pra cá já lançamos um EP, dois álbuns, diversos shows e o sangue nos olhos só aumenta a cada dia.

         #‎Infernalis -4-  Vocês estão juntos com o Voodoopriest, Cangaço e demais bandas no              projeto “Levante do Metal Nativo”.  Poderia nos falar mais sobre esse projeto?

- O Levante do Metal Nativo surgiu da união de bandas que escrevem sobre nossa cultura e história com o intuito de melhor divulgar nossas riquezas culturais através do Metal. Temos alguns projetos em andamento e esperamos inspirar as pessoas a também darem sua contribuição para nossa cultura nativa.

        ‪#‎Infernalis -5-  Sobre o último álbum lançado,  “Wdê Nnãkrda” nota-se a riqueza dos                instrumentos indígenas. Pretendem levar esses instrumentos ao palco?

- Sim. Infelizmente os lugares onde tocamos não nos oferece estrutura pra usar alguns instrumentos, mas só gravamos o que conseguimos tocar ao vivo e na primeira oportunidade iremos usar todos esses instrumentos.

‪     #‎Infernalis -6-  De onde surgiu a ideia de juntar a guitarra com a viola caipira em um único instrumento?

- Na verdade surgiu como uma necessidade urgente, seria bem complicado eu tocar a guitarra e a viola acústica ao mesmo tempo no palco. Pesquisei pra ver se tinha um instrumento assim no mercado e não tinha, aí idealizei o instrumento do jeito que melhor atendia a nosso som e acabou virando mais uma de nossas marcas registradas.

#‎Mallefcus -07-  Vocês também pretendem utilizar outros instrumentos como Berimbau e/ou cavaquinho, por exemplo, que são grandes marcas da musica nacional?"

- Pretendemos explorar cada vez mais a música indígena e tradicional brasileira, dentro das nossas limitações de banda de Rock. O que mais complica usar novos instrumentos é ainda não termos encontrado um guitarrista fixo, isso limita muito e me deixa preso à guitarra, pois o peso não pode faltar. Queremos resolver tudo entre no máximo cinco pessoas.

#‎Mallefcus -8-  Com inúmeros elogios que a banda vem recebendo com o novo álbum, vocês pretendem seguir Independente ou pensam em uma aliança com algum Selo?

- Ser independente na maioria das vezes não é uma escolha, é falta de opção mesmo e não fazemos questão e ter um selo pra dizer que temos. Nosso compromisso é apenas com nossa arte, nossa cultura nativa e nosso público, se um dia encontrarmos parceiros que acreditem e queiram investir em nosso trabalho, ótimo, se não tocamos a canoa pra frente como sempre fizemos.

#‎Mallefcus -9-  No Período da Pré-colonização, Muita coisa da cultura indígena se perdeu. E hoje, os povos Indígenas vivem em condições deploráveis. O que você pensa em relação a isso?

- O índio de hoje continua a sofrer genocídio, os invasores apenas criaram formas mais sofisticadas de fazer isso. Com todo esse caos em que o planeta se transformou creio que seremos forçados a reatar nossos laços com a natureza se quisermos sobreviver. E aí que entra a contribuição do índio. Proteger e respeitar os Povos Indígenas é cuidar da Mãe Terra.

#‎Mallefcus -10-  Conheço algumas bandas de Folk Metal Brasileiro, porém nenhuma elas é tão Original, tão Único, como o Arandu Arakuaa, pois ambas tem uma temática/instrumental voltado pra música Celta e Nórdica. (Porém vale lembrar que são propostas diferentes). Em relação a isso, você concorda que o Brasileiro não valoriza o que é "Nosso", e sim, o que tem de fora?

- Respeito qualquer temática e gênero musical, a música é universal e a arte é livre, porém, nem eu e nem meus colegas de banda tem qualquer identificação com Cultura Celta e Nórdica. O conceito do Arandu Arakuaa surgiu de elementos que são parte da minha formação e coisas que acredito e quero defender.
Sim, brasileiro tem mente de colonizado e já vi algumas bandas colocarem alguns elementos de nossa cultura em sua música só soar “exótico” e enganar gringo.
Já vi também muitos fazerem piadinhas conosco, mas nosso compromisso é divulgar nossa cultura raiz tocando Metal que é um estilo que amamos e respeitamos.
Somos um bando de pobres fodidos e totalmente fora dos padrões. Desde que nascemos todo dia tem gente querendo nos jogar na merda, então dane-se o que esses alienados de merda pensam sobre nós haha.

#‎Infernalis -11-  Gostaria de agradecer novamente pela oportunidade de realizar essa entrevista. Gostaria de deixar algum recado? As palavras são suas.

- Nós que agradecemos pela oportunidade de falar sobre nossa arte. Gostaríamos de estender o agradecimento a todos que nos apoiam nessa luta diária.

Arandu Arakuaa nas Redes Sociais: 
Contatos para Shows: 
Pagina Official da Curtindo Metal no Facebook:

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Entrevista com o Warforged

Saudações Warbrothers!

Venho trazer essa entrevista realizada com o guitarrista e vocalista Daeroth Inglorion da horda paranaense Warforged. Antes, gostaria de agradecer pela atenção e dizer que é uma honra entrevistá-lo.
Por Vinicius Luciano (Infernalis Blasphemy)

Curtindo Metal - Qual a origem do nome Warforged?

Daeroth Inglorion – Primeiramente gostaria de agradecer pelo convite, para nós é uma honra compartilharmos um pouco de nossa ideologia com quem acompanha vossa página.

Sobre a origem do nome, desde cedo eu sempre fui muito ligado a estudos voltados para história, poesia e filosofia, dessa forma sempre tive um fascínio tremendo pelo “cenário” de constante evolução do ser como uma entidade, em um mundo que vivemos em que a guerra contra tudo é constante, vivemos em plena batalha em prol da evolução do intelecto-espiritual e com as adversidades do nosso caminho é que vamos evoluindo e forjando quem realmente somos, eis que então vem o significado do nome “Forjado na Guerra”, claro que de uma forma um pouco mais voltada a filosofia, mas ele significa exatamente isso.

Curtindo Metal -  Qual a ideologia da horda?

Daeroth Inglorion – O Warforged sempre foi uma entidade a qual nós devotamos a nossa verdadeira essência em forma de arte, seja ela consciente ou subconsciente. Não seguimos nenhuma ideologia em “massa” delimitada por algum gênero sob alcunhas como Black Metal, Death Metal, somos diferentes de bandas comuns por isso, apenas buscamos perpetuar um pouco do que nós estudamos e somos apaixonados como a filosofia, história, diversos tipos de artes e estudos ocultos. Resumidamente, o Warforged então é onde nós destinamos nossas manifestações artísticas de uma forma muito pessoal e restrita aos envolvidos, nunca buscando reconhecimento ou status em nada, o objetivo é apenas perpetuar a arte de uma forma verdadeira e nada mais.

Curtindo Metal - Qual a opinião de vocês sobre o Nacional Socialismo?

Daeroth Inglorion – O Warforged não tem interesse em nada ligado a política, de um ponto de vista ideológico pessoal, temos a conclusão que enquanto ideologias politicas lutam em prol do bem de um povo, raça ou de qualquer coisa que seja, nós simplesmente desejamos a destruição de tudo o que é material e mundano neste antro caótico que vivemos temporariamente. Nós não erguemos nenhuma bandeira e muito menos erguemos nossas espadas para lutar por algo que envolva ideais em massa, apenas somos um seleto grupo de mentes que trazem o individualismo e evolução do “eu” acima de qualquer coisa, e a política jamais vai estar presente em nossos objetivos.

 Curtindo Metal - Quais são as influências da horda? Alguma nacional?

Daeroth Inglorion – As influências sem dúvida são diversas, e sempre estarão em constante evolução, é algo que vem de período em período e vai se moldando conforme os sentimentos pessoais e experiências que serão refletidos em cada composição. Musicalmente nossas inspirações vem do Black Metal 90’s, de estudos de música erudita e muita trilha sonora de filmes que somos fãs. Liricamente a inspiração do Warforged provém de muita coisa relacionada a história e literatura de séculos anteriores, estudos de antigas crenças voltadas ao ocultismo e principalmente na filosofia que é uma fonte de conhecimento infinita.

Sobre bandas nacionais, sem dúvida tenho grandes influências que sempre absorvo um pouco da arte e subconscientemente acabam sendo transmitidas nas composições do Warforged, algumas que eu poderia citar aqui seria o Spell Forest, Vulturine, Torqverem, Thy Light, Blackwar dentre várias outras.

Curtindo Metal - Pretendem continuar com as apresentações ao vivo?

Daeroth Inglorion – Talvez, mas não posso dizer que sim. Sempre dedicamos esses atos para apresentações especiais, ocasiões extraordinárias onde tem um significado e um propósito muito mais forte do que o comum. Todo o preparo e o estado de espírito para algo que o Warforged esteja envolvido é muito intenso, nós não simplesmente subimos no palco e tocamos, nós devotamos tudo aquilo do lado mais negro de nosso espírito em prol da nossa própria entidade, isso demanda muita energia, acaba sendo um pouco diferente do que ter uma banda comum, e isso não é compreendido por quem não faz parte do mundo em que vivemos, então não somos uma banda destinada a realizar apresentações constantes.

Curtindo Metal - Há alguma banda nacional que gostariam de dividir o palco?

Daeroth Inglorion – Sem dúvidas, diversas bandas aqui fazem um trabalho sério, devoto e honrado e gostaríamos de um dia que estivessem ao nosso lado em alguma apresentação, algumas já tivemos a honra como foi o caso do UMF que teve um cast restritamente selecionado e escolhido a dedo, mas algumas bandas que podem ser citadas é sem dúvida o Vulturine, Ain Sof Aur, Torqverem, Infernal Inquisition e Symphony Draconis, essas bandas carregam uma essência um pouco diferente do que é visto aqui no Brasil, e a honra de dividir o mesmo seria gigantesca.

Curtindo Metal - O que passa na cabeça de vocês sobre essa turnê realizada no Underground Metal Fest em Piraju - SP e no Nordeste?

Daeroth Inglorion – Isso para nós acaba sendo um divisor de águas e o inicio de uma nova jornada em prol do nome Warforged. Devido a esses projetos em andamento, essas datas que envolverão o interior de São Paulo, parte do Nordeste e Santa Catarina no sul estabilizaram de forma perfeita uma formação na banda, e com isso cravamos de vez uma espada no legado em honra a todos aqueles que deram seu suporte a horda por anos e finalmente poderão ver aovivo. A partir disso, nossa força e inspiração para novos trabalhos tomou um patamar inimaginável.

Curtindo Metal - Gostariam de deixar algum recado paras as novas hordas que estão surgindo?

Daeroth Inglorion – Antes de mais nada, façam algo em prol da satisfação própria. Vejam a música como arte e nunca como um produto, e principalmente, estudem muito sobre a música no geral desde composição até produção, não é porque é uma música “underground” que deve ser mal feita, portanto seja profissional e não se importe com mais nada. Nenhuma arte é melhor que outra, arte é arte, não se importe com o trabalho alheio e devote sua essência naquilo que é seu, isso é o que difere o Metal de qualquer outro gênero.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

#Aamon Entrevista feita com a Horda Infernal Malkuth

#Aamon Primeiramente quero agradecer a todos integrantes da Horda Malkuth pela Honra é pela força  é ao Agares Por todo  este apoio  é ajudas a decorrer desta guerra, para  ir a frente com essa maldição  é isso o Resto  o Diabo vem buscar 

Pagina Official no face da Horda Malkuth

Pagina Official Web Zine Curtindo Metal no Facebook

terça-feira, 28 de abril de 2015

#Aamon Entrevista a Horda " BLASPHEMATRON "

#‎Aamon‬ News Entrevista Feita neste mês com a Horda do meu irmão de fronte BEELZEEBUVUDU Baixista da horda BLASPHEMATRON "

sexta-feira, 10 de abril de 2015

#Aamon Entrevista Honrosa com DESGRAÇA ETERNA

Boa Noite  Primeiro é uma Honra ao Curtindo Metal entrevistar o Averno Tormento da Horda Desgraça Eterna vamos começar ave.

(Cleyton Aamon) Averno Tormento Guerreiro como foi sair de minas e vir para o calor do nordeste e fazer tudo com membros novos e sem falar dos eventos? 

(Averno Tormento )Salve maligno! A honra é toda minha de poder falar um pouco sobre o trabalho da Desgraça Eterna para este nobre veículo de informação subterrâneo.
Na verdade eu deveria ter vindo de minas para o nordeste muito tempo antes, pois estou gostando muito de morar aqui. Morava em uma cidade do norte de minas onde as pessoas ainda têm um pensamento bastante provinciano, moralista, cri$tão e hipócrita; apesar da redundância. Em um lugar imundo desses é bastante difícil poder realizar algo, ainda mais sozinho. Vir para o nordeste foi como virar uma página, fazer uma história começando do zero. Apesar dos muitos vermes pilantras que infectam o subterrâneo nordestino assim como todas as regiões brasileiras, tive a oportunidade de conhecer pessoas com as quais pude somar para realizar trabalhos e ações que realmente importassem no contexto nordestino. Quem milita dentro do verdadeiro subterrâneo nacional sabe o quão difíceis as coisas são; fazer um evento de qualidade somente com Hordas nacionais no brasil tem um ônus bastante pesado e em torno disso muitas coisas acontecem, principalmente muita pilantragem vinda de todos os lados, não se pode baixar a guarda em momento nenhum. Durante esse tempo trabalhando com eventos subterrâneos aqui no Nordeste, pude aprender bastante com meus acertos e erros, e a conclusão que chego hoje é que a restrição e o radicalismo (principalmente consigo mesmo) são os primeiros passos a serem dados. O metal em si está totalmente infectado por vagabundos de quinta categoria com um pensamento cristãozinho safado com raízes profundas em suas mentes; e se misturar e ser conivente com tais indivíduos medíocres é igualar-se a eles.
Quanto a recomeçar com a Desgraça Eterna também não foi nada fácil, infelizmente é difícil encontrar bons músicos que sejam dedicados e comprometidos, e principalmente que tenham pensamentos e atitudes coerentes com o Metal Negro e a Desgraça Eterna.  Guerreiros assim geralmente já estão compromissados com outras hordas ou preferem não tocar mais por estarem decepcionados com a mal_dita “cena”.
Atualmente a desgraça eterna, além de mim, é composta por mais três seres malignos: Hellfire (bateria), Lunático (baixo) e Speedy (guitarra).  
É a primeira vez que a Desgraça Eterna é composta por um quarteto, para mim é uma experiência nova e totalmente avassaladora pois além dos atuais membros serem bastante dedicados, compromissados e terem um excelente nível musical, conseguimos levar o som para um patamar superior, muito mais perverso, caótico, poderoso e desolador. 

(Cleyton Aamon) como é para você ser criador de todos os Hinos da horda e de onde vem as suas influencias malditas?? 

(Averno Tormento ) Dizer que eu criei tudo sozinho seria uma injustiça tanto para os guerreiros que serviram à horda quanto para com os atuais. Apesar da minha significativa parcela na criação dos hinos, muito mais por ser o idealizador da Desgraça Eterna, tanto os antigos hinos quanto os novos são feitos de forma conjunta. Cada guerreiro acrescenta sua parcela de forma individual ou coletiva tanto na construção quanto na lapidação das músicas. Particularmente tenho tentado fazer riffs mais elaborados e criativos que não soem como algo “enlatado”. Speedy e eu temos trabalhado em hinos novos, nossas ideias estão se mesclando perfeitamente, e claro tenho aprendido muito com ele pois se trata de um gênio musical, um verdadeiro monstro guitarrista das artes negras. 
Além dos hinos que escuto e hordas que aprecio minhas influências para compor tanto Riffs quanto letras advêm das minhas próprias experiências vividas e conhecimentos adquiridos durante esta minha existência nonsense. Tento através de um tipo de sublimação musical transpassar toda essa carga negativa e miserável da condição humana que macula tudo que toca dentro desta atmosfera vagante. A desgraça eterna é a entropia, o colapso de toda a hipocrisia humana e onde a esperança e a ilusão se encerram.  

(Cleyton Aamon) Antes da Desgraça quais eram seus Projetos?

(Averno Tormento ) A Desgraça Eterna foi fundada em 2001 na época eu tinha 19 para 20 anos, foi a primeira horda de Metal Negro que surgiu no Norte de Minas e também a primeira na região a compor seus próprios hinos. 
Antes da Desgraça Eterna, na época de escola ainda, toquei em algumas bandas, porém covers, tocávamos o que gostávamos, sons de estilos variados (dentro do metal é claro); naquele tempo pude conhecer músicos talentosos apesar da pouca idade de todos, e muitas pessoas cheias de atitude na época. Essa época serviu-me de aprendizado musical, de ensaios, shows, composições etc.   

(Cleyton Aamon) Averno Tormento Guerreiro qual seu pensamento sobre o Radicalismo Contra o "Metal cristão”?

(Averno Tormento ) Apoio totalmente o radicalismo de fato contra o “metal cri$tão”. O cri$tiani$mo não passa de uma lavagem cerebral, uma doença mental e da alma. Apesar de hoje a maioria das bandas serem vendidas, o metal surgiu como uma revolução ideológica, musical e artística contra todo o sistema político, econômico e religioso que nos oprime. Aceitar o cri$tiani$mo no metal é reconhecer que você não passa de um merda que ainda aceita as imposições religiosas e políticas que apodreceram, escravizaram, roubaram e destruíram a dignidade do homem.
Aceitar o cri$tiani$mo no metal é aceitar o inimigo que sempre nos tratou como lixo, de forma preconceituosa autoritária e inescrupulosa. 
É preciso haver ações cada vez mais severas contra tais dogmas e vermes inúteis que tentam a todo custo se infiltrar e poluir algo que foi construído com muito sacrifício e honra, mas que hoje se encontra contaminado pela presença não grata de tais parasitas.  

(Cleyton Aamon) Como foi Subir ao Palco com Desgraça Eterna Pela Primeira vez?

(Averno Tormento ) Penso que subir em um palco e tocar é uma das manifestações máximas da expressão artística e ideológica musical, o que por sua vez requer muita luta e responsabilidade. A Desgraça Eterna quando surgiu era algo totalmente abominado na cidade em que morava, éramos investigados e abordados pela polícia constantemente, tidos como marginais ou uma seita por executarmos nosso som herege, a sociedade e a igreja nos horrorizavam de uma forma extrema; o que passou a refletir no meu modo de vida e como as coisas aconteciam. A primeira vez que a desgraça eterna tocou foi um ato de total rebeldia e afronta contra essa sociedade medíocre que nos oprimia. Tocamos em uma casa abandonada, toda destruída, pixada, puxamos um “gato” da rua para conseguir energia elétrica, velas pretas de mais de um metro iluminavam a casa e crânios de animais e armas a adornavam, as pessoas lá dentro se entregaram ao caos, a escuridão, lascívia e um som infernal que os revelava a loucura e o horror. A vizinhança contatou a polícia que foi recebida com uma machadada no para-brisa da viatura; o que antecipou apenas um pouco o fim da celebração.
Essa é uma velha e longa história, mas apesar de tudo que aconteceu, por alguns instantes houve uma magiKa naquela noite profana, onde todos entenderam o verdadeiro significado da liberdade. E foi esse sentimento, esse despertar que me fez querer seguir adiante como um opositor. 
Atualmente tenho ponderado bastante em quais eventos e com quem tocar, pois a Desgraça Eterna é o trabalho mais importante da minha vida, então devo valorizar isso no momento de aceitar alguma proposta ou dividir palco com outras bandas ou hordas. 

(Cleyton Aamon) Sei que vem Material Novo esse ano, e ai pode falar algo sobre o que está por vir? Já tem proposta de Turnês pelo nordeste ou pelo sul do Brasil??

(Averno Tormento ) Isso mesmo, a Desgraça Eterna gravará seu debut-álbum nesse ano ainda. Trata-se de um full length de 40 minutos composto por 6 hinos sombrios de metal negro extremo e caótico revelados aos guerreiros da morte sob a onomástica de “Sombrio Pacto com a Escuridão Eterna”.
Apesar de contar com duas músicas das antigas demos, é um som muito mais evoluído e trabalhado, com todos os instrumentos e vocais chegando a níveis mais extremos, melodias negras e desesperançosas, sem perder de forma nenhuma a essência perversa e subversiva da Desgraça Eterna, pelo contrário, aprofundando-se ainda mais nos abismos existenciais. 
Apesar dos quase 13 anos de existência nessa esfera existencial maldita, a Desgraça Eterna é bastante desconhecida, então falar sobre turnês ou proposta de turnês não é algo que se adequa à realidade e o ideal da horda. Como disse a tendência é restringir cada vez mais as apresentações, participando somente de rituais, celebrações ou círculos que realmente importem em um caráter terrorista e revolucionário, que valham a pena em termos de experiência, desta forma repudiando cada vez mais o caráter totalmente comercial e capitalista da maioria dos eventos que acontecem. 
Na noite de 15 de agosto participaremos do segundo ato de Intolerância dentro do Metal Negro o infame Pvtridvs Vox Ritual, que se trata de uma “aversão terrorista contra a ignorância dentro e fora do metal negro”, um ato que desmascara toda essa hipocrisia que contamina o metal.  

(Cleyton Aamon) o Fim é todo seu Guerreiro.

(Averno Tormento ) Agradeço ao leal amigo e nobre aliado Cleyton Amon pela oportunidade de expor minhas ideias e falar um pouco sobre meu trabalho. Nós que nos opomos a toda essa farsa medíocre que se infiltra cada vez mais no metal Negro sabemos da importância que os verdadeiros veículos de informação subterrâneos possuem. Vivemos em tempos que palavras como propósito, oposição, revolução e radicalismo perderam seu significado para a maioria dentro do metal negro.  É preciso haver uma autocrítica, um despertar. Vemos todos os anos bandas comerciais como Marduk, Belphegor e Dark Funeral dentre outras tocarem em mega estruturas no Brasil, receberem tratamento de estrelas tanto por parte dos produtores quanto por parte do público que os tratam como deuses. Quando um produtor promove um evento beneficente é repudiado por todos (o que concordo totalmente), e o mesmo vale para as hordas nacionais, mas quando uma banda gringa toca em eventos como o Abril Pro Rock, que recolhe alimentos, que tem bandas de pop rock, hc e outros tipos no cast todos se omitem e vão mesmo assim “porquê é uma banda gringa”.  Enquanto isso as hordas brasileiras não recebem nenhum tipo de apoio ou estrutura, muitas vezes vítimas desses mesmos produtores que não dão qualquer tipo de suporte digno para as hordas. Em quase todos os eventos ‘undergrounds’ o que se passa é uma total frivolidade e alienação. 
Como muitos já me vi em situações que me fizeram questionar o que realmente sou e qual o meu propósito dentro disso tudo que batemos no peito e chamamos de Ideal, de estilo de vida, de Metal Negro. E as respostas para o autoquestionamento só são válidas através das atitudes do indivíduo. É necessário radicalizar consigo mesmo; e se quisermos nos tornar verdadeiros guerreiros, não devemos temer a sociedade, as igrejas a morte ou a dor. Revoluções verdadeiras são necessárias mas só são possíveis quando partem do indivíduo.